Veio para ficar. Pelo menos até haver vacina. Dizem que, a correr bem, lá para o verão
do próximo ano. Vamos ter mesmo que criar novos hábitos de vida. Viver com essa ameaça, essa bomba que nos pode cair em cima sem aviso prévio. Mas, mesmo assim, temos que viver.

 

Leia mais na edição desta semana, já nas bancas.