Visão de futuro

0
0

Entramos num novo período de confinamento. É ainda mais difícil quando, depois dos últimos meses, foi já enorme o esforço de muitas empresas, do comércio, das famílias, dos trabalhadores ou das pessoas de maior risco. Um pouco por todo o Mundo, na Europa em particular, os países lutam para combater esta pandemia, procurando minimizar o impacto na vida de todos nós.
Como disse várias vezes, esta pandemia nada tem de nacional, muito menos de municipal. Tem tudo de global e, curiosamente, também de individual. Tem de global a forma como assola todos os territórios. E tem muito de individual pela forma como os nossos comportamentos podem ajudar no combate.
É grave, quando num momento difícil para todos, se procura criar desconfiança sobre as instituições públicas. É exatamente o que faz o PSD ao espalhar a informação de que o Município de Oliveira de Azeméis foi o que menos investiu nas medidas de apoio na crise provocada pela Covid. Com a frontalidade de sempre, é simplesmente mentira. É importante que antes de se afirmarem essas coisas se procure ler, de facto, os relatórios, neste caso em particular o relatório do Tribunal de Contas (TC). Pode discordar-se de tudo, não se pode é mentir.
O Município de Oliveira de Azeméis não foi indicado como um dos municípios que menos investiu. É completamente falso. Foi indicado como um dos municípios que menos contratos de ajuste direto e concursos públicos fez nesse âmbito. E isso é verdade.
A grande maioria das medidas de apoio adotadas pelo Município não estão abrangidas pelo relatório do TC. Que medidas? Por exemplo: suspensão de tarifários de água e saneamento, apoios sociais, reforço do Vale Educação, oferta de refeições, apoio aos Bombeiros, IPSS’s e coletividades.
Percebo que seja um ano de eleições autárquicas. Percebo que se procure fazer oposição e, pela dificuldade, se aproveite tudo. O que já não consigo perceber é que não se diga a verdade. Continuemos atentos, continuemos a reforçar medidas e, sobre elas, a apresentar contas. É justo e é sério.
Bruno Aragão, Presidente da Comissão Política Concelhia do PS