Visão de futuro

0
13

Oliveira de Azeméis tem personalidade, história e características que a torna singular. O nosso concelho tem oferta de produtos de qualidade inquestionável, reconhecidos um pouco por todo o lado e com uma particularidade: mais das vezes, vêm acompanhados com uma graça atrevida, um olhar generoso e um sorriso reflectido atrás do balcão. Estas gentes fazem parte do nosso património histórico, de tal maneira que acabamos por deslembrar o nome comercial do estabelecimento e (re)batizamos com o nome de quem nos serve.
Infelizmente, nos últimos meses, muitos destes sorrisos deram lugar a semblantes marcados pelo desassossego. As lojas têm sido fustigadas pelas consequências da prolongada presença da Covid-19, forçando proprietários e colaboradores a reinventar-se para conseguir manter as portas abertas.
Não deveriam ser “só eles”, proprietários e colaboradores, mas “todos nós”. Não nos podemos esquecer que o comércio local é vital para a saúde socioeconómica de um concelho. Comprar no comércio local é sinónimo de criação de emprego. Consumir no comércio local estimula o empreendedorismo, promove a expansão dos espaços, propicia o aumento da oferta, implicando a criação de mais postos de trabalho. Consequentemente, há necessidade de criar alojamento, impelindo a fixação de pessoas no concelho.
Concomitantemente, surgem os impostos assacados a este circuito económico, imprescindível fonte de receita para os cofres concelhios.
Como facilmente se depreende, a nossa solidariedade para com o comércio local oliveirense assume uma importância vital neste Natal.
Na verdade, de nada servem os incentivos para o consumo local quando não consumimos, nem as “ajudas do Estado” quando não reconhecemos que o Estado somos nós.
Respeitando sempre as normas de segurança, façamos as compras de Natal nas nossas ruas: abastecemos a economia local e recuperamos sorrisos merecidos. Assim, também somos Natal.
João Oliveira Castro, Membro da
Comissão Política Concelhia do PS