Tubidrauz conquista mercado há 21 anos

0
81

Há 21 anos que a Tubidrauz existe no concelho de Oliveira de Azeméis sob a alçada de dois empresários oliveirenses. Foi em setembro de 1999 que o atual sócio gerente, Marco Silva, decidiu arriscar e abrir a empresa. Posteriormente, a sócia gerente Liliana Pereira juntou-se à equipa. A gerência considerou que esta seria uma boa oportunidade, uma vez que a cidade é reconhecida pelo tecido industrial de moldes. O que é certo é que, após 21 anos, a Tubidrauz continua ativa no mercado.

A empresa de comercialização de tubos nasceu na rua do Cruzeiro e, entretanto, passou para uma loja na zona industrial de Oliveira de Azeméis para ficar próxima dos seus principais clientes. “Mesmo assim, achamos necessário termos um espaço só nosso, que fosse criado de raiz e que pudesse responder às nossas necessidades”, contextualizou a sócia gerente, Liliana Pereira, em declarações à Azeméis TV. “E cá estamos desde setembro de 2020”, afirmou, com um sorriso.
Ao longo dos anos, a Tubidrauz foi-se adaptando à evolução e às necessidades do mercado. Inicialmente, a empresa fazia apenas tubos hidráulicos – tubo a metro, cortado conforme a solicitação do cliente – mas, lentamente, acabou por abranger outras áreas, como acessórios, engates rápidos e execução de serviços requisitados pelo próprio cliente. Atualmente, a Tubidrauz é uma Parker Store, uma marca a nível mundial. “Podemos dizer que é o Ferrari dos componentes hidráulicos e pneumáticos para moldes”, explicou o sócio gerente, Marco Silva, em entrevista à Azeméis TV. “Marcas como a BMW, Honda, Porsche e Mercedes… 90 por cento das marcas, quando preveem a produção de um molde, já colocam a marca Parker”, esclareceu (ver caixa sobre a marca Parker Store).
De uma empresa que se dedicava apenas à fabricação do tubo, passou a integrar a componente do molde. Especificamente, 80 por cento de um molde, sendo que a Tubidrauz fornece ou presta esse serviço ao cliente. “Só não fazemos esse serviço a 100 por cento porque há quem o faça”, brincou Marco Silva. “Mas tudo o que tem a ver com moldes, temos ou fazemos”, assegurou. Para além da área dos moldes, a Tubidrauz também trabalha na vertente da construção civil, mecânica, ar condicionado e tubos de óleo e travão.

Equipa é dedicada e profissional
A equipa da Tubidrauz é pequena, sendo constituída por cinco elementos. Marco Silva está direcionado para a vertente das compras, questões técnicas e orçamentos, enquanto Liliana Pereira trata da vertente administrativa e do departamento financeiro. A restante equipa de colaboradores responsabiliza-se pelo atendimento ao público e ao balcão e, ao mesmo tempo, fazem a assistência técnica nas empresas em que a Tubidrauz opera, desde a manutenção da máquina e das ligações pneumáticas e hidráulicas nos moldes. “É o nosso grande nicho neste momento e onde está a maior percentagem das vendas da empresa”, apontou Marco Silva.
Uma das vantagens da equipa reduzida da Tubidrauz é o facto de o ambiente de trabalho ser descontraído mas, em simultâneo, profissional. “Não diria que temos um ambiente familiar, mas existe bom trato uns com os outros e não existe aquela questão entre patrão e funcionário. Trabalhamos todos como equipa”, garantiu Liliana Pereira. Para além de terem, de certo modo, expandido as instalações da Tubidrauz para a rua Eduardo Paúl 26, na zona industrial de Oliveira de Azeméis, a ambição da gerência também está focada em expandir a equipa de trabalho (ver caixa sobre formação). “A nossa aposta é expandir. Precisamos de mais pessoal na rua e que dê um acompanhamento mais comercial aos nossos clientes”, descreveu Marco Silva. “Digamos que esta era uma lacuna da empresa e agora, com novos objetivos, podemos dar seguimento à vertente comercial”, refletiu. O passo a seguir até será contratar mais de um comercial mas, para já, o objetivo é assentar depois da mudança de instalações de setembro deste ano (ver caixa sobre mudança de instalações).

Tubidrauz detém exclusividade da Parker Store
Quando a Tubidrauz surgiu no mercado há 21 anos, vendiam outras marcas mas, agora, foca-se na marca Parker Store. “Isso, sem dúvida, foi uma evolução na empresa, porque criamos uma Parker Store onde conseguimos ter a representação dessa marca. Nesta área, somos exclusivos”, declarou Liliana Pereira, acrescentando que, se o cliente pretender a marca Parker nas redondezas, a Tubidrauz tem preços competitivos e uma grande oferta de produtos da marca. “Isso fez com que a empresa fosse crescendo e temos acompanhado o mercado em função disso”, complementou. Para Marco Silva, a adesão à Parker Store é uma mais valia. “Viram em nós um potenciador da marca e, depois de nos ligarmos, sentimos que houve um ‘bum’ na Tubidrauz”, considerou o sócio gerente. “Estamos no topo de gama para hidráulico e pneumático”, sublinhou.

Formação tem um papel importante na empresa
Depois de tantos anos de existência, a formação dos colaboradores encontra-se em “piloto automático”. “É um processo adquirido há vários anos mas, para quem chegou ao longo deste ano, a sua integração foi fácil”, realçou Marco Silva. “As pessoas não são formatadas mas a formação e a aprendizagem sobre esta área acaba por ser simples. Este processo está de tal maneira enraizado que eu próprio pouco tenho a delegar funções”, enfatizou, dando relevo ao facto de os colaboradores da empresa funcionarem de forma direcionada para o seu objetivo final: servir o cliente. “Ninguém nasce ensinado e existe sempre um procedimento de adaptação em relação aos processos da empresa. A formação faz-se no dia a dia e faz-se ao lidar com o cliente e o problema, sendo parte da solução”, concluiu o sócio gerente.

Pandemia afetou mudança de instalações
Os desafios são muitos e relacionam-se com os picos a nível de mercado mas, recentemente, a principal dificuldade da Tubidrauz prendeu-se com a finalização da construção do pavilhão atual. “Quando decidimos dar este passo, ainda nada se esperava em relação ao que vinha aí”, afirmou Liliana Pereira, referindo-se à pandemia provocada pela Covid-19. “A finalização do pavilhão acabou por ficar atrasada”, lamentou a sócia gerente. “Até a dita inauguração, que gostávamos de proporcionar aos nossos clientes”, exemplificou, desejando que para o ano de 2021 consigam oferecer “uma festa à maneira” para os seus clientes. Marco Silva é um apaixonado pela relação com os clientes, uma vez que trabalha na área há mais de 20 anos. “Há uma relação muito grande para além da profissional. Felizmente, a relação pessoal e profissional tem dado frutos na Tubidrauz”, comentou, confiante.

Um feliz Natal da Tubidrauz
“Desejo muita saúde, algo que é preciso neste Natal, até porque as pessoas vão sentir falta dos amigos, das pessoas chegadas e dos normais convívios. Algumas pessoas foram levadas por esta praga [Covid-19], mas deixo uma mensagem de saúde. Melhores dias virão e isto vai ser ultrapassado. Para o próximo ano, o Natal será diferente”
Marco Silva,
sócio gerente da Tubidrauz

“Vai ser um Natal diferente, atendendo às condições a nível mundial por causa da pandemia. Para agora, estamos todos bem e acho que isso é o principal, sem dúvida alguma. O clima natalício vai-se manter, apesar de não existir jantar de Natal. Vamos tentar outra forma de fazer com que os funcionários tenham algum convívio, de forma a estabelecer ligações entre todos”
Liliana Pereira, sócia gerente da Tubidrauz