“Tri? Vamos lutar com as nossas armas”

0
4

A conquista do tricampeonato é o objetivo da Oliveirense para esta época. Hélder Albergaria revelou ainda que a equipa sénior quer estar na luta por todas as provas e que fazer crescer a formação é outras das metas estabelecidas. Para isso está na calha a construção da Academia de Basquetebol que vai reunir, num só pavilhão, todas as valências da modalidade.

Não há duas sem três, já diz o provérbio, e o basquetebol da Oliveirense quer confirmar, este ano, que há expressões portuguesas que fazem sentido. Depois de conquistar, duas épocas seguidas, o título de campeã nacional, a Oliveirense quer sagrar-se tricampeã e o presidente da secção, Hélder Albergaria, não esconde esse desejo. “Não faz sentido um bicampeão dizer que não vai lutar para o título. Nós vamos lutar, se vamos conseguir não sabemos, mas vamos lutar com as nossas armas”, prometeu Hélder Albergaria em entrevista no programa ‘Deporto em Análise’ conduzido por Hermínio Loureiro na Azeméis FM/TV.
O dirigente deu conta das potencialidades da equipa e só lamentou que, num concelho tão industrializado, como destacou, a equipa bicampeã nacional não consiga reunir mais apoios financeiros, dando um exemplo: “Se tivéssemos um mínimo de apoio das empresas do concelho tínhamos mantido a equipa que foi bicampeã nacional. Os atletas queriam ficar cá, mas nós não conseguimos”, afirmou o dirigente, revelando que, este ano, Arnette Hallman, que trocou a Oliveirense pelo Benfica após a conquista do primeiro campeonato, “fez tudo por tudo para vir para cá, reduziu vencimentos, mas não conseguimos chegar lá perto”.
Hélder Albergaria não esconde que a equipa “sobrevive à custa do Grupo Simoldes” e que prevê “graves problemas” para o futuro. “Se não for o Grupo Simoldes a ajudar nós não temos possibilidades de continuar”, confirmou o dirigente, apelando ao apoio de mais empresas oliveirenses.

“Já se nota uma equipa
à Norberto Alves”
Hélder Albergaria recordou os acontecimentos que marcaram a última temporada, desde a interrupção da competição desportiva até ao cancelamento de todas as provas. “Após a interrupção da última época houve uma indefinição muito grande e esse tempo foi difícil, porque não sabíamos o que fazer. As competições foram canceladas e aí eu fiquei um pouco sem saber o que fazer””, revelou o presidente, acrescentando que a preparação da presente temporada foi “muito complicada”. Depois de acertar com alguns patrocinadores, embora “perdendo unscom bastante peso”, e constatar uma realidade já esperada — o orçamento ia ser “muito mais reduzido” — a prioridade foi garantir a continuidade de duas peças que considera “fundamentais”: o treinador Norberto Alves e o capitão José Barbosa.
Hélder Albergaria reconhece o “mérito” que o clube tem tido nas contratações, sobretudo dos estrangeiros e prova disso são os cinco jogadores que rumaram ao Benfica e Sporting depois de terem sido campeões na Oliveirense: Travante Williams, James Ellisor e Bailey Fields (este chegou à Oliveirense na última época) fazem parte do cinco inicial do Sporting e Eric Coleman e Arnette Hallman representam o Benfica. “Não sei se esta equipa é mais forte que a do ano passado, mas sei que é mais equipa no sentido desportivo e também socialmente”, afirmou Hélder Albergaria, salientando que já se nota uma “evolução acentuada” desde que a equipa começou a trabalhar. “Já se nota que é uma equipa à Norberto Alves, mas só vai atingir a plenitude em janeiro/fevereiro que é o habitual desde que o professor veio para cá”, referiu.

Academia de Basquetebol
pode estar para breve
As equipas de formação são uma prioridade do projeto de Hélder Albergaria para a Oliveirense e prova disso são os jogadores da ‘prata da casa’ que integram o plantel sénior: Renato Azevedo, Rui França, Francisco Albergaria e José Barbosa. “Enquanto eu for responsável pelo basquetebol da Oliveirense, a nossa equipa sénior tem de ter, no mínimo, três atletas formados cá”, garantiu o dirigente, reconhecendo que são estes que atraem os mais jovens para a modalidade.
Contudo, a falta de espaço físico tem sido um dos entraves para o aumento do número de praticantes, mas esse obstáculo pode ser, em breve, ultrapassado. “Há uns meses, a secção de basquetebol fez uma abordagem à Câmara Municipal no sentido de nos ajudar e vamos avançar para a Academia de Basquetebol. Demos o primeiro passo e vamos avançar muito em breve”, salientou o dirigente, referindo que os jovens não podem treinar no Pavilhão Salvador Machado e andam dispersos pelos pavilhões das escolas Soares Basto e Ferreira de Castro e pelo Pavilhão Municipal.
A formação da Oliveirense conta com 15 treinadores e um fisioterapeuta, que é o ex-jogador João Abreu. Além desses tem também um preparador físico e, em breve, terá também uma nutricionista. “É um custo que o clube suporta só para a formação”, assegurou o dirigente, acrescentando que, até final da época, há outro investimento para fazer: “ainda não sei em que moldes, mas vamos avançar para a aquisição de uma carrinha, porque temos duas com 20 anos e completamente obsoletas”.