Pequeno Leo está “estável”

0
15

Leonardo, um menino de quatro anos que precisava de um transplante de medula, está neste momento “estável” depois de sete meses de internamento no Centro Materno e Infantil do Norte, episódio que aconteceu no ano passado. Diagnosticado com aplasia medular – uma doença rara que afeta a produção de componentes para o sangue, como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas –, o pequeno lutador continua a viver um dia de cada vez.

Leonardo, de Oliveira de Azeméis, tem vindo a melhorar e há quatro meses que não necessita de nenhuma transfusão de sangue ou plaquetas. “O Leo continua com o tratamento imunossupressor e, apesar de estar estável, até os próprios médicos estão confusos porque ele de semana a semana precisava de transfusões e agora não; as plaquetas aguentam um bocadinho mais”, contou a progenitora, Ana Fernandes, ao Correio de Azeméis.
“Às vezes, registam alterações nos rins ou no fígado, mas são coisas que vão voltando ao normal”, explicou, deixando claro que o transplante de medula não está fora de questão. “Havia um possível doador, mas entretanto nunca mais obtivemos resposta”, acrescentou Ana Fernandes, realçando que não sabe muito bem o que terá acontecido com a alegada pessoa compatível.
No entanto, os pais do pequeno Leo não perdem a esperança no futuro. Para já, o importante é viver um dia de cada vez. Devido às circunstâncias provocadas pela pandemia, os pais do menino encontram-se desempregados e a sua atenção foca-se, exclusivamente, em conseguir proporcionar ao filho todos os cuidados necessários. Uma vez por mês, a Espinho Solidário – uma organização que apoia crianças com doenças raras e doenças oncológicas – ajuda a família com alimentos, uma vez que o rendimento dos progenitores não consegue suportar todas as despesas mensais. Para tentar melhorar a situação financeira, Ana Fernandes contou que o pai de Leo faz alguns “trabalhos pontuais”, tal como ela própria, tendo criado uma página de Facebook – ‘Beauty by Ana’ – em que vende vários produtos de beleza, assim como rifas.
Leo tem consciência da sua
condição de saúde
Caracterizado pela sua meiguice e boa disposição, Leonardo, tal como a maior parte das crianças da sua idade, não tem lidado muito bem com o confinamento provocado pela Covid-19. “Está em casa, fechado. Não convém andar com ele por aí”, observou a mãe. “A terapia da fala e a terapia ocupacional do Leo tem sido feita em casa ao domicílio pela clínica que o acompanha”, exemplificou.
Com quase cinco anos, o menino já tem “uma mentalidade de adulto”, como descreveu a progenitora. “Não tira a máscara e lava sempre as mãos”, descreveu Ana Fernandes, adiantando que, na próxima quinta-feira, o filho vai fazer novas análises para que a equipa médica possa auscultar e continuar a acompanhar o seu estado de saúde.