Oliveirense “incrédula” e “indignada” com novo golo não validado

0
4

Um golo não validado à Oliveirense no encontro frente ao Benfica, no passado dia 12 nas meias-finais da Taça 1947, levou a equipa de Oliveira de Azeméis a emitir um comunicado, no qual revelou ponderar “repensar seriamente” o investimento que faz na modalidade caso não surjam mudanças sobretudo ao nível da arbitragem.
Num longo comunicado, a Oliveirense mostrou-se “incrédula” e “profundamente indignada” com o golo não validado a Vítor Hugo e que daria o empate (2-2) em tempo de intervalo nas meias-finais da Taça 1947. A Oliveirense revela mesmo que ponderou abandonar o jogo e não entrar para a segunda parte.
“Foi na manhã deste sábado, dia 12 de dezembro de 2020, no Pavilhão Municipal do Luso, que nos foi retirada a possibilidade de jogar a final deste domingo, porque marcámos quatro golos contra três do nosso adversário, por isso a vitória devia ter sido atribuída à Oliveirense, mas, alguém ajuizou de forma diferente”, pode ler-se na publicação que se faz acompanhar de vários vídeos. A Oliveirense considera ser “unânime que a bola entrou na baliza” e descreve os momentos que se seguiram: “Os jogadores da Oliveirense gritaram golo, o outro árbitro de pista viu que era golo, os outros dois árbitros aperceberam-se que a bola havia entrado, mas o árbitro principal entendeu que a bola não entrou. O juiz foi alertado para o erro que estava a cometer, mas manteve a sua leitura do lance e não assinalou golo”.
No comunicado, a equipa de Oliveira de Azeméis revela que “ponderou” abandonar o desafio e não entrar em campo para a segunda parte “como forma de protesto”. Contudo, admite que foi a jogo “em nome da verdade desportiva”, pelo “orgulho” que tem na modalidade, bem como pelo “respeito” pela Federação Portuguesa de Patinagem e pelos adversários.
A Oliveirense considera ainda que o hóquei “merece uma melhor arbitragem” e pede mudanças na modalidade. “O nosso investimento é avultado e face ao que tem sucedido nesta modalidade ao longo dos anos afirmamos que ou quem manda no hóquei em patins português altera os comportamentos de alguns agentes desportivos ou a Oliveirense vai repensar seriamente o investimento que realiza nesta modalidade”. E finaliza o comunicado prometendo continuar a “lutar pela verdade desportiva”.