Números “manipulados e falseados”

0
25

Os vereadores do PSD da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis afirmaram, em conferência de imprensa, que o investimento apresentado pela autarquia para o combate à pandemia “é completamente falso”. Carla Rodrigues, acompanhada do vereador Ricardo Tavares, afirmou que os números foram “completamente manipulados e falseados, de forma a criar confusão e enganar os oliveirenses”.

A vereadora social-democrata Carla Rodrigues referiu que a taxa de execução das medidas aplicadas foi de “apenas 22,5 por cento”, contrapondo a taxa de execução apresentada pela autarquia de 87,9 por cento.
A anunciada redução da taxa de IMI e dos investimentos na melhoria das condições das zonas industriais na tabela do apoio social e económico, para a representante dos vereadores do PSD, “visou, única e exclusivamente, empolar os números para disfarçar a miserável realidade”.
Outras medidas que Carla Rodrigues não considera estarem diretamente relacionados com a Covid-19 são o alargamento do vale-educação, a isenção da Derrama para empresas com faturação inferior a 150 mil euros por ano e a oferta de bilhetes para espetáculos aos trabalhadores do município, entendendo que, dos cerca de três milhões de euros nomeados “apenas cerca de um milhão configura reais medidas de apoio”.
“O Tribunal de Contas veio agora, num recente relatório, confirmar o que temos vindo a dizer: Oliveira de Azeméis foi dos municípios que menos investiu no combate à pandemia”, sublinhou a porta-voz, ao sublinhar que o presidente da Câmara Municipal, Joaquim Jorge, “ignorou e desprezou as necessidades e aflições das pessoas”, concluiu.
Carla Rodrigues comentou, ainda, o orçamento para as medidas de apoio apresentado para este ano, relembrando que o documento foi reformulado, uma vez que, numa primeira instância, o “executivo demonstrava mais uma vez que não estava disposto a alocar qualquer verba significativa para o combate à pandemia”. Aproveitou para afirmar que o novo pacote de medidas foi apresentado pelo PSD, quando estava prevista uma verba de 200 mil euros e não de 1,125 milhões de euros, como informou o presidente da Câmara recentemente.

PRESIDENTE DA CÂMARA CONTESTOU A POSIÇÃO DOS VEREADORES DO PSD
“Nunca gerimos politicamente esta pandemia”
O presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, Joaquim Jorge, declarou, ao Correio de Azeméis, que o relatório do Tribunal de Contas, mencionado na conferência de imprensa dos vereadores do PSD, que posiciona o concelho num dos que menos investiu no combate à pandemia, “refere-se apenas àquilo que foi fiscalizado” pelo Tribunal, e que cada município ajustou o investimento a outras áreas, segundo explicou.
“O município de OAZ disponibilizou quatro milhões de euros para o combate a esta pandemia”, referiu, ao esclarecer que num primeiro pacote contemplou maioritariamente a economia local, com a redução do IMI e o investimento nas zonas industriais como “sinal de confiança no futuro”, pela resiliência das famílias e das empresas, disse.
Quanto às medidas propostas pelo PSD, o presidente afirmou ser “completamente falso”, adiantando que “mais de metade da verba proposta [1.4 milhões de euros] era direcionada para a compra de máscaras e realização de testes”, o que não consta neste pacote, esclareceu.