Direito à Cultura

PCP

Armando Morais *

O Capítulo III da C.R.P consagra que “todos têm direito à educação e à cultura. O Estado promove a democratização da cultura, (…)”. A visão vanguardista da nossa C.R.P., rasgou a fúnebre cortina da longa noite fascista, vulgo Estado Novo. O atraso cultural e o embrutecimento sistemático do fascismo foram desfeitos com o 25 de Abril de 1974, graças às aspirações de mudança do nosso Povo com o indelével contributo dos intelectuais. Recordemos os nossos escritores que viram as sua obras censuradas e perseguidos pela firmeza na oposição ao regime. Justíssimo referir Ferreira de Castro que lutou pela Liberdade, justiça social, dignidade e emancipação do Homem. A sua coragem na decisão de não colaborar com a imprensa portuguesa enquanto vigorasse o regime de censura e no facto de não permitir que nenhuma obra sua fosse adaptada a um cinema financiado pelo Estado pretérito. O sector da Cultura em Portugal tem sido encarado pelos sucessivos governos como o eterno parente pobre, cabendo à clássica direita a reiterada aposta mercantilista em detrimento da oferta pública. É exequível acomodar 1% em sede de OE. Cultura é trabalho e trabalho com direitos. É imprescindível assegurar aos trabalhadores a articulação dos tempos de trabalho com o tempo livre para que se verifiquem as condições de acesso e fruição culturais, conjugado com o justo e necessário aumento geral dos salários. Este avanço é possível com a CDU como força decisiva de mudança.
* Membro CDU, Oliveira de Azeméis

Partilhar nas redes sociais

Comente Aqui!









Últimas Notícias
Sub-17 da Oliveirense erguem o troféu de campeões
26/02/2024
“As sondagens têm um papel de condicionar o voto”
26/02/2024
CDU quer distribuição de riqueza
26/02/2024
Carlos Fonseca, o ‘pai’ do teatro oliveirense
26/02/2024
Biografia de Ferreira de Castro apresentada
26/02/2024
UNIR continua em falha
26/02/2024
Lulucabit, um talento oliveirense
26/02/2024
GM Macinhatense irá celebrar 89 anos
26/02/2024
PUB