Ainda a propósito da Rua Prof. António Costeira

Ana Isabel da Costa e Silva

Por gralha que afetou o texto, republicamos a crónica da Arq. Ana Isabel da Costa e Silva publicada na semana passada

Ainda a propósito da Rua Professor António Costeira, considero-a uma rua bem traçada, que faz parte de um traçado de conjunto, no espaço envolvente, que lhe dá sentido. O problema será, certamente, o alinhamento das construções que, futuramente, se instalarão nas suas margens.

Reparem que o Lar Pinto de Carvalho considerou um afastamento considerável da construção ao eixo da rua, não sendo possível uma relação entre a rua e o edifício. Esta circunstância só parece ser uma solução aceitável devido ao declive acentuado do terreno.

No entanto, a construção de habitação plurifamiliar parece ser a tipologia de edifício que irá dominar aquela rua, segundo as recentes construções que apareceram na sua margem. O princípio de ocupação é a do prédio de rendimento, mas numa versão contemporânea: o proprietário vende o terreno em troca de uma habitação (T2 ou T3) no edifício, entretanto construído por outrem, na sua parcela. 

A questão reside nas relações que estes edifícios farão ou deverão fazer com a rua. No caso em apreço a situação é paradoxal: o Lar Pinto de Carvalho, por exemplo, encaixa-se no terreno, não realizando qualquer relação com o espaço do passeio já existente. Simultaneamente, um edifício de habitação plurifamiliar, localizado na Rua Professor António Costeira, localizado em frente a um alargamento do espaço público, onde existe um pequeno jardim, o afastamento do edifício ao espaço do passeio chega a ser menor que o afastamento existente nos blocos habitacionais no denominado Bairro de Lações. 

Além do afastamento do edifício ao espaço público, será importante considerar a relação que este edifício estabelece com as construções vizinhas, uma vez que, ao seu redor, construíram-se, há muitos anos, casas unifamiliares de dois pisos, com quintal e espaço exterior, tirando partido de alguma privacidade existente, pela igualdade de ocupação nas imediações. Com um edifício com mais de três pisos, em confronto com estas moradias, o que acontecerá a este pequeno bairro?

A mesma circunstância pouco agradável poderá verificar-se na relação das pequenas habitações unifamiliares localizados na Rua Domingos José da Costa e imediações com os edifícios de habitação plurifamiliar, construídos nos anos noventa, no antigo espaço da fábrica do Centro Vidreiro...

Passados tantos anos, estaremos a cometer os mesmos erros?

E os passeios? E o espaço público será o remanescente de todas as intervenções particulares? Qual será a estratégia de ocupação pretendida?

 * Arquiteta,  O. Azeméis
Dê a sua opinião:  [email protected] 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Grupo de Cantares e Romarias de Travanca voltará a atuar no dia 28 de fevereiro
8/02/2023
Carnaval oliveirense terá sete grupos participantes
8/02/2023
Colisão deixou homem de 59 anos ferido
8/02/2023
Idosos evacuados de casa pelos bombeiros
7/02/2023
Derrota no último minuto
6/02/2023
Ossela B volta a ganhar
6/02/2023
Oliveirense meteu a quinta!
6/02/2023
CD Cucujães voltou às vitórias
6/02/2023