A Ministra

[email protected] - Rui Nelson Dinis

Rui Nelson Dinis

O país não esquecerá tão-cedo os enormes contributos da Ministra Marta Temido, da Diretora-geral Graça Freitas e do Almirante Gouveia e Melo, pelos seus contributos na difícil batalha contra a pandemia do Covid-19. Tudo o resto são periclitantes estados de espírito, que não sobrevivem à história. Essa missão será inesquecível e merece a nossa humilde gratidão.

Essa memória, ainda assim, não deve fazer esquecer, nem deve desviar as atenções do fiasco em que estão as reformas no Serviço Nacional de Saúde (SNS). O SNS precisa de ser reformado, para sobreviver. Os seus adversários são fortes, agressivos e demolidores. Impiedosos.

A Ministra Marta Temido, na hora da despedida, não pareceu estar preparada para aquele difícil combate pela reforma do SNS, nem para as caneladas e rasteiras dos inimigos do SNS. Nem para a desordem da Ordem e dos Sindicatos. A pandemia protegeu a sua governação de previsíveis debilidades, mas a normalização da situação pós-pandemia ia fazer emergir entre o caos, todas as fragilidades desde então constatadas.

As reformas correm sempre contra o tempo e este parece esgotado. Não saberemos, sem prazo razoável, a eficácia das mesmas. A sua demissão, entretanto, tornou-se o resultado mais esperado e inevitável, só surpreendendo o desgaste de ocorrer apenas cinco meses depois de um novo Governo iniciar funções. Sai assim, sem glória, mas com honra, aquela que terá sido a Ministra mais popular do anterior Governo. 
 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Mercado à Moda Antiga “com mais de 100 inscrições”
2/02/2023
Ainda sem garantias Polícia Municipal pode chegar em 2024
2/02/2023
Colisão entre carro e bicicleta deixou uma mulher ferida
2/02/2023
É oficial. Oliveirense apresentou Kazu Miura
1/02/2023
PETIÇÃO - LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DIRETA AO PORTO
31/01/2023
Trabalhar Para Mudar
31/01/2023
Politicamente (in)correto
31/01/2023
Pensar o Futuro
31/01/2023