Lara Pereira lança ‘Crime por Engano’

AOS 14 ANOS, a jovem já vai no segundo livro editado

0
0

Depois da primeira experiência, com o lançamento do primeiro livro, a jovem oliveirense Lara Pereira voltou a dar asas à sua imaginação e escreveu o segundo livro, um policial intitulado ‘Crime por Engano’. Apesar de ter admitido que lhe “deu um pouco mais de trabalho”, a jovem considerou que a exigência a “fez amadurecer mais a escrita”, segundo explicou.

“Foi muito inspirado pelo facto de eu gostar de ler livros policiais”, confessou ao explicar que ao ter uma “vasta biblioteca de leitura”, junta ideias inconscientemente e percebe que, quando escreve, algumas delas foram de livros que leu, mas que adequa com um “cunho” seu. Ainda que não tivesse “noção que gostava de escrever”, Lara Pereira sempre gostou de ler, desde a sua infância, como afirmou. “É uma pena, atualmente, jovens não lerem tanto, nem apostarem na escrita, porque é uma maneira de enriquecermos a nível pessoal e intelectual” reparou a jovem ao adiantar que “toda a gente devia passar pelos caminhos da leitura e também da escrita”.
O livro de 170 páginas retrata uma jovem que ambiciona ser detetive e que se depara com um crime, inesperadamente, o qual tenta desvendar. “Gira muito à volta do instinto e da forte personalidade que a personagem tem”, adiantou Lara Pereira, ao esclarecer que é aconselhado acima dos 11 anos de idade. A frequentar o 9º ano de escolaridade, a jovem sublinhou que gosta muito de estudar e que, a par disso, tem atividades como a natação e o piano, deixando a escrita para fora do período escolar, concretizando nas férias. Futuramente pensa ingressar no ensino superior em áreas como a Gestão, Matemática ou o Ensino e deixar a escrita ser “um escape”.

Próxima obra será para alunos do 1º e 2º ciclos
Os pais, professores de Matemática, admitem que a motivação para escrita não partiu deles. “Foi uma surpresa ela ter escrito um livro desta envergadura, com 13 anos, que já obrigava a ter um fio condutor”, confessou o pai, Ricardo Pereira.
“Já consegui vender cerca de 1000 exemplares do primeiro livro e deste, que saiu em novembro, já vai nos 500, acrescentou ao avançar que a jovem está a escrever uma “coleção de livros” a convite de uma professora de Matemática, sua colega de trabalho, “um conjunto de histórias” com noções matemáticas para alunos do primeiro e segundo ciclos, esclareceu.