Isabel Costa prepara-se para deixar direção d’A Chama

Presidente espera que cargo seja assumido por outra pessoa

0
20

https://youtu.be/vHu3NVfw2Rg

Há nove anos que a presidente da coletividade A Chama – Associação Recreativa e Cultural de S. Roque, Isabel Costa, assume o leme desta entidade pela qual tem tanto apreço e estima. A associação está parada devido à pandemia, mas a presidente apela a todos os jovens e interessados para que não abandonem A Chama que, cada vez mais, precisa de novas pessoas para perpetuar tradições antigas como aquelas que o Rancho Folclórico e Etnográfico tem preservado ao longo da sua existência.

Marta Cabral

Eventos como o Festival de Sopas e a Noite de Francesinha, assim como aquele que seria o 27.º Festival de Folclore, foram suspensos devido às circunstâncias atuais provocadas pela pandemia. No dia 25 de maio, A Chama comemora 27 anos de existência mas, à semelhança do ano passado, nenhuma festa vai ser feita para assinalar a efeméride. “Para a semana, terminarei o meu mandato enquanto presidente. Espero que uma nova direção seja eleita porque tenho muitos anos em cima e é urgente novas ideias e aventuras para a associação”, explicou a presidente em declarações à Azeméis FM/TV. “Estarei sempre ao lado d’A Chama, mas não num cargo de tanta responsabilidade”, esclareceu.
É com orgulho que Isabel Costa olha para o Rancho Folclórico e Etnográfico da associação, mas a perda de rotinas habituais – como os ensaios e as “discussões saudáveis” – por causa da Covid-19 deixa a presidente com receio do que poderá acontecer no futuro. “Estamos a falar de pessoas numa faixa etária mais elevada e que poderão, talvez, não regressar ao rancho quando assim for possível”, apontou a responsável, realçando que a coletividade não conta apenas com pessoas mais velhas mas também com crianças, dado que existe a vertente da ginástica. “Por isso é que é tão urgente a participação de jovens, para que haja uma troca de saberes e de tradições, importantíssimas para a continuidade do rancho”, acrescentou. “O que falhou, ao longo do meu mandato, foi não ter um grupo de jovens a dar apoio à associação”, lamentou Isabel Costa.