Investimento nas freguesias divide opiniões

PSD defende crescimento “coerente” para evitar “assimetrias”

0
12

Foram aprovadas, em Assembleia Municipal, por unanimidade, quatro minutas de contrato interadministrativas com as freguesias de Fajões, Carregosa, Cesar e Cucujães. Estas minutas dizem respeito ao Centro Cívico e à construção do Edifício das Coletividades, em Fajões, às obras de restauro da Casa Eduarda Vasques, um imóvel destinado a albergar o Museu D’Artes e Ofícios (Carregosa), às obras no âmbito da Casa da Gastronomia do Nordeste das Terras de Azeméis e do Núcleo Pedagógico da Ruralidade das Terras de Azeméis (Cesar) e às obras de requalificação do antigo Hospital do Sangue (Cucujães).
Marta Cabral
Apesar de o PSD ter congratulado estes investimentos, Fernando Pais considerou que as obras deveriam ser “coerentes” em todas as freguesias do concelho.
“Claro que fico satisfeito por este investimento ser feito na terra que me viu nascer [Fajões], mas o mandato que recebemos é o dos oliveirenses em geral”, apontou, acrescentando que o crescimento do concelho tem que ser “coerente” para que se “evitem assimetrias”.
O presidente da Câmara Municipal respondeu que é importante criar condições de equidade para as pessoas e que esse trabalho “está a ser feito”. “Nem todas as juntas de freguesia recebem da mesma maneira. Fajões tem dois milhões de euros numa escola e claro que não vamos ter isto noutras freguesias”, exemplificou Joaquim Jorge. “O importante é que os investimentos sejam feitos com seriedade. No dia em que eu, deliberadamente, prejudicar alguma junta de freguesia, vou-me embora”, garantiu.

“Não estou em pré-campanha e venho defender Macieira de Sarnes”
O presidente da Junta de Freguesia de Fajões discordou da “falta de coerência e equidade” mencionada pelo deputado Fernando Pais. “A Câmara Municipal está a dar um apoio de 50 por cento às freguesias; vai deparar-se com esse apoio nos investimentos que procurar”, declarou Óscar Teixeira. “Os meus colegas estarão de acordo comigo, independentemente do partido que tenham”, considerou.
No entanto, a presidente da Junta de Freguesia de Macieira de Sarnes não partilha da mesma visão que o autarca fajoense. “Não estou em pré-campanha e venho defender Macieira de Sarnes”, afirmou Florbela Silva. “Conseguimos fazer dois contratos de delegação de competências no valor de 40 mil euros durante este mandato, sendo que 35 mil foram para a obra da Quinta de Miranda”, apontou. A autarca macieirense acrescentou, ainda, que tem “dúvidas” sobre o facto de a obra se iniciar ainda neste mandato, como proposto pelo executivo camarário. Depois de ouvir os seus colegas autarcas, a presidente da Junta de Freguesia de Carregosa decidiu intervir. “Custa-me estar a medir forças entre as freguesias. Isto depende da capacidade e das necessidades de cada uma”, considerou Helena Moreira. “Como todos sabem, não sou candidata às Eleições Autárquicas e sou uma pessoa inexperiente. Devemos, isso sim, valorizar a nossa memória e o nosso território e é isto que se tem estado a fazer nestes últimos tempos”, concluiu.

Autarquia anuncia interessados na Estalagem de S. Miguel e na obra da Zona Industrial de Oliveira de Azeméis
O presidente da Câmara Municipal, Joaquim Jorge, anunciou que foi lançado um novo concurso para a requalificação da Zona Industrial de Oliveira de Azeméis. “Aumentámos o valor nesse concurso e já apareceram empresas interessadas em avançar com as obras de requalificação”, revelou. Quando questionado pela bancada social-democrata sobre o ponto de situação da Estalagem de S. Miguel, o edil oliveirense enfatizou que a requalificação daquele espaço está fora de questão, uma vez que a autarquia não irá gerir um ponto turístico. No entanto, Joaquim Jorge afirmou que há um interessado naquele equipamento. “Foi feito um esboço preliminar para demonstrar ao potencial investidor que é possível aumentar o número de quartos. Esperamos ter algo mais a dizer sobre este assunto”, referiu o autarca.

Projeto da Azemad reconhecido como de interesse público municipal
A empresa Azemad, localizada no Parque de La Salette, pediu à Assembleia Municipal um reconhecimento de interesse público municipal do seu projeto de investimento, que passa pela criação de acessibilidades a nascente da empresa para ligá-la à EN224 para, dessa forma, rapidamente entrarem na A32. O projeto de investimento é apoiado por fundos comunitários, no valor de 1,2 milhões de euros. “A empresa pretende que aquele acesso, que está criado mas em reserva ecológica, possa ser desafetado para que eles possam concluir esse acesso. Com isso, a Azemad retiraria todo o seu trânsito pesado do interior do Parque de La Salette”, explicou Joaquim Jorge. O pedido foi aprovado por unanimidade.