HELENA TERRA – Rescaldo Eleitoral

0
7

Helena Terra *

Depois das eleições presidenciais de 24 de janeiro último, eis o rescaldo do que se passou em Oliveira de Azeméis. Por cá, a democracia, no que toca à participação dos eleitores, está melhor do que no todo nacional. Contra 60,76% de abstenção nacional, Oliveira de Azeméis registou 59,99%. As três freguesias onde mais se votou foram Carregosa, União de freguesias de Nogueira, Pindelo e Cesar.
Marcelo Rebelo de Sousa ganhou em toda a linha, mas foi nas freguesias de S. Martinho da Gândara, Loureiro e Carregosa que obteve maior percentagem de votos. Nada de surpreendente na repartição territorial destes votos.
Ana Gomes ficou em segundo lugar no concelho, com exceção das freguesias de Carregosa, Loureiro e União de freguesias de Pinheiro da Bemposta, Palmaz e Travanca, nas quais foi André Ventura o segundo candidato mais votado. De destacar que, no concelho, o quarto candidato mais votado foi Vitorino Silva. E o que se passou com todos os outros candidatos, por cá, foi semelhante ao que aconteceu no resto do país.
Inequivocamente, os oliveirenses quiseram Marcelo Rebelo de Sousa com exclusão de qualquer outro, o que era previsível.
Estas eleições já passaram e preparamo-nos já para as próximas, porque 2021 é ano de eleições autárquicas.
Teremos, por certo, um presidente de Câmara recandidato pelo PS e o PSD e CDS/PP a concorrer em coligação. Quanto à recandidatura que apresentará o PS, cumprindo-se o que é quase regra em eleições autárquicas no plano nacional, dificilmente um presidente de Câmara em primeiro mandato que se recandidate perde eleições. A somar a este facto, o PSD oliveirense, apesar da enorme tradição autárquica, está hoje numa encruzilhada, pois tem alguns dos seus principais protagonistas afastados, outros desgastados e ainda não foi capaz de se reorganizar no que a novos protagonistas diz respeito…
Por isto, aguardamos expectantes as propostas que nos sejam apresentadas a sufrágio.

* advogada