Ferpinta atenta à higiene e segurança

Funcionários desafiados a participar em exposição

0
56

O Grupo Ferpinta assinalou o dia 28 de abril, Dia Mundial para a Segurança e Saúde no Trabalho, através de uma atividade que consistiu na construção de alguns modelos de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) com materiais reutilizáveis. O objetivo principal, segundo o Departamento de Recursos Humanos e Segurança, foi envolver o maior número possível de colaboradores da empresa.
Marta Cabral
“Quisemos fazer mais do que um cartaz e optámos por fazer uma atividade que chegasse aos colaboradores e, no fundo, sensibilizar para os Equipamentos de Proteção Individual de forma original”, explicou fonte do Departamento de Recursos Humanos e Segurança, em declarações ao Correio de Azeméis. Assim, nasceu uma exposição na cantina da empresa Ferpinta com peças criadas através de materiais reutilizáveis. “Os colaboradores foram desafiados a participar e, no concurso, podiam votar no modelo que mais gostassem”, contou a mesma fonte.
Como prémio, o vencedor teve direito a 75 euros em vale FNAC. A escolha da cantina como local da exposição não foi feita por acaso, dado que é o espaço comum a todos os funcionários e o sítio por onde passa o maior número de colaboradores diariamente. “Penso que esta atividade abrangeu várias pessoas e, a partir de agora, acho que vamos começar a ter mais adesão neste tipo de iniciativas”, considerou a empresa.
Outro dos intuitos da atividade, para além da envolvência, diz respeito à proximidade com quem trabalha todos os dias na Ferpinta. “Queremos estar mais próximos dos colaboradores e fazer com que eles também se aproximem de nós, de forma a que percebamos melhor as suas necessidades no dia a dia no que toca ao nível de segurança e dos riscos que estão associados às suas funções”, realçou o departamento.

Modelo “Seguro” foi o vencedor da exposição
A atividade lúdica teve como premissa unir os colaboradores e, nesse sentido, a organização quis que os trabalhos fossem expostos anonimamente. Desta forma, as peças expostas foram renomeadas com nomes relativos à segurança no trabalho, como ‘Atenção’, ‘Cautela’, ‘Cuidado’, ‘Perigos’, ‘Prevenção’, ‘Proteção’, ‘Riscos’ e ‘Seguro’. O vencedor foi o modelo intitulado ‘Seguro’. “Queríamos que o vencedor fosse o trabalho e não a pessoa vencedora, ou seja, premiar a criatividade desse projeto”, sublinhou o Departamento de Recursos Humanos e Segurança.
Foi percetível que as pessoas tinham “alguma dificuldade” em comunicar com alguns dos departamentos internos e que, na hora das formações, muitas das vezes “não estavam muito integrados” de forma a darem sugestões a nível de segurança. “Queremos que façam parte das atividades e que não sejam meros espectadores”, declarou o departamento.
Num universo global, o grupo Ferpinta emprega cerca de 1.200 pessoas. “Como Recursos Humanos e Segurança, estamos aqui para trabalhar com as pessoas e ouvi-las; quer com os colaboradores quer com todos os departamentos”, considerou fonte do departamento, acrescentando: “No futuro, queremos mais atividades deste género e envolver outros departamentos na sua organização”.

Grupo com produtos certificados desde 1989
O Grupo Ferpinta, cujo presidente do Conselho da Administração é o comendador Fernando Pinho Teixeira, é constituído por 23 empresas em diversos setores, como o aço, o turismo, o mobiliário, a agro-pecuária e os equipamentos agrícolas. Em 1962, o atual presidente do Conselho da Administração iniciou a sua atividade empresarial em nome individual na área da metalomecânica e, em 1972, constituiu-se como Sociedade por Quotas, FERPINTA – Fábrica Nacional de Construções Metálicas, Lda. sediada em Carregosa. Ao longo dos anos, a Ferpinta foi conquistando terreno, sendo até certificada como a 23.ª empresa nacional pelo IPQ (Instituto Português da Qualidade), sendo que já tinha produtos certificados desde 1989.

Ferpinta no “limite de espaço ocupado”
Em entrevista ao Correio de Azeméis, o Departamento de Recursos Humanos e Segurança usou a própria história da Ferpinta como retrato do seguimento da expansão dos seus edifícios. O intuito é aumentar as instalações da empresa, mas não nos próximos anos. “Fomos não só criando mais pavilhões e crescendo internamente em Vale de Cambra com a criação de novas instalações da Ferpinta, mas também de outros ramos da atividade como a questão da hotelaria”, explicaram. “Na nossa sede em Carregosa, estamos a ficar limitados a nível de espaço. Claro que o objetivo é mantermo-nos por cá, mas neste momento estamos no limite máximo de espaço ocupado pertencente à Ferpinta”, consideraram.