Dívida ainda condiciona investimentos

ORÇAMENTO DE 2020 TEVE UMA EXECUÇÃO DE 80 POR CENTO

0
11

Depois de ter sido feita uma prestação das contas referentes ao ano de 2020 pelo executivo da Junta de Freguesia de Fajões, na última Assembleia de Freguesia, na passada quinta-feira, foi justificado que a razão crucial para não terem atingido todos os objetivos de investimento foi a dívida referente aos processos judiciais a decorrem contra a Junta de Freguesia. “Três credores reclamam um total de mais de 129 mil euros”, explicou o tesoureiro José Pina, nomeando as empresas Valente e Lopes, Paviazeméis e Pedreira de Pizões.

Ana Soares

Jorge Paiva (PSD) depois de ter considerado uma “irresponsabilidade” por parte do executivo “não ter renegociado em vez de pagarem com custas de juros”, lamentou que a fatura com a empresa Valente e Lopes tenha aumentado em quase quatro mil euros. Ainda contestou o valor que a Junta de Freguesia recebeu até ao final do ano passado (480,962.43 euros), tendo orçamentado um valor superior em cerca de 200 mil euros. “Cria-se aqui um enorme buraco, contrariando as normas da contabilidade pública”, afirmou.
O presidente da Junta de Freguesia, Óscar Teixeira, apontou que o orçamento do ano de 2020 “teve uma execução real de 80 por cento”, acrescentando que, com o valor recebido, o executivo “pagou dívida, investiu em projetos estruturais e muito importantes para o futuro da freguesia”. Explicou ainda que conseguiu também “investir em diversas obras que foram pagas” e que “não deixará dívidas deste executivo para os próximos”.
A prestação de contas foi então aprovada por maioria, com cinco votos a favor, duas abstenções do PSD e um voto contra de Jorge Paiva (PSD).

Muro junto ao moinho faz falta
Durante a Assembleia de Freguesia de Fajões, no período antes da ordem do dia, o cidadão Manuel Pinho sugeriu ao executivo a reposição do muro junto ao Moinho, na rua da Torre ou que, em alternativa, procedesse à colocação de fitas de alerta, por considerar que a zona constitui perigo. O presidente da Junta, Óscar Teixeira, agradeceu o alerta e a sugestão, deixando-a registada para analisar.