Criação de Conselho Geral proposta à Oliveirense

0
49

A alteração dos estatutos da Oliveirense foi o tema em debate no fórum online promovido pela Azeméis TV/FM no programa ‘Desporto em Análise’, conduzido por Hermínio Loureiro, e que contou com a participação de Eduardo Costa, ex-presidente da Oliveirense, Pedro Marques, jurista e membro dos órgãos sociais do clube, e do dirigente desportivo Carlos Teixeira.

Alteração dos estatutos

Hermínio Loureiro
“É uma necessidade adaptar os estatutos à nova legislação. Os estatutos carecem de uma reflexão profunda. Estes programas que temos vindo a fazer para falar sobre a Oliveirense é de uma forma construtiva, para melhorar e para otimizar os recursos”.

Eduardo Costa:
“Os estatutos estão desatualizados não só no tempo, mas também porque a realidade do clube não é a mesma do tempo em que eles foram criados. Os estatutos têm de ser uma referência para a resolução de crises. Com a revisão dos estatutos devia ser mais esclarecida a presença da Oliveirense na SAD para os sócios perceberem qual é a responsabilidade de quem lá está a representar o clube”.

Pedro Marques:
“Uma das primeiras convicções desta direção foi trabalhar a questão organizacional do clube e está a cumprir e isso é fundamental para olharmos para a Oliveirense como um clube de futuro. Somos um clube grande, mas organizado de forma pequena. (…) As alterações dos estatutos são pontuais e meramente organizacionais. Temos que pensar se queremos que o clube pense a uma cabeça, em pirâmide, com um presidente ou se queremos três cabeças a pensar e três cabeças a mandar. Temos é que pensar nisto com realismo e com frieza”.

Carlos Teixeira:
“Os estatutos têm de estar atualizados. Fiz parte da direção anterior e esta questão já tinha sido abordada, mas havia outras prioridades. Primeiro devia ser definido o plano estratégico e depois proceder-se à alteração dos estatutos”.

Repensar a comunicação
com os sócios

Eduardo Costa:
“É preciso saber como lidar com os sócios e com a comunidade. A Oliveirense com a estrutura que tem e com o património que tem de um momento para o outro fica sem ninguém para os gerir e os estatutos não acautelam isso. Nos últimos 15 anos isso aconteceu duas vezes. Estes estatutos têm de resolver de vez esta situação”.

Pedro Marques:
“O clube tem de começar a pensar de forma profissional e tem de se profissionalizar não só na área administrativa e financeira, mas na área da comunicação, da imagem, do marketing, dos recursos humanos internos. Vamos propor a criação de uma direção de comunicação. O clube tem que se transmitir a uma só voz. O clube ou fala para os sócios, para as crianças, ou morre”.

Carlos Teixeira:
“Angariar mais sócios para o clube é fundamental. Há várias formas de atrair as pessoas para serem sócias da Oliveirense. É fazer uma revisão à forma como se angariam os sócios e à forma como se comunica com os sócios. Temos que ver os miúdos (da formação) como a força do futuro”.

Eduardo Costa propõe a criação de um Conselho Geral
Eduardo Costa apresentou à comissão de revisão dos estatutos uma sugestão para a criação de um Conselho Geral para, nomeadamente, o caso de haver uma demissão dos corpos sociais existir um Conselho que “possa resolver a crise diretiva e de funcionamento do clube não assumindo a sua direção nem gestão”. “Se todos se demitirem neste momento, os estatutos não resolvem nada. Propus a criação de um Conselho Geral formado por ex-presidentes e ilustres sócios para o Conselho Geral que pode ser uma ponte para gerir conflitos e crises”, explicou o ex-presidente da Oliveirense. “Quase todos os clubes grandes têm conselhos superiores e isso faz todo o sentido”, concordou Pedro Marques.

Grupo de oliveirenses vai trabalhar na alteração dos estatutos
A direção da Oliveirense aprovou, em reunião interna, a criação de um grupo para trabalhar na elaboração dos estatutos cuja proposta será apresentada à direção que, por sua vez, irá analisar o documento antes de o levar a uma Assembleia Geral para o colocar à aprovação dos sócios. O grupo de trabalho será coordenado pelo sócio Teófilo Fonseca e é composto pelos juristas Carlos Correia, Pedro Marques e Amadeu Russo Valente e por Sara Almeida e Silva, uma sócia sempre com voz ativa nas assembleias gerais do clube.