Nuno Pires *

Na passada semana, o líder do PS local mostrou-se indignado só porque escrevi um conjunto de verdades acerca da inércia do executivo no combate à pandemia.
“O silêncio dos insolentes”, como referiu Ricardo Araújo Pereira, adequa-se na perfeição ao líder do PS local.
Pois eu direi sempre aquilo que penso, por muito que Vossa Excelência tente, com palavras ‘fofinhas’, pintar o contrário.
Sr. líder do PS local, infelizmente o problema não é apenas local, mas nós por cá temos mesmo azar redobrado: além do que se passa no país, no nosso concelho somos lentos a criar respostas, somos incapazes de ser diferentes e exemplares neste campo de batalha.
No Executivo são uns resignados que se limitam a fazer o que lhes mandam, sem haver aquilo que seria desejável: um líder no combate a esta pandemia.
Desde a falta de informação dos dados Covid que a nossa CM sempre aceitou como sendo normal, passando pela falta de solidariedade com os colaboradores do município: numa primeira fase não permitindo trabalhar em teletrabalho (que era obrigatório) e, numa segunda fase, não lhes fornecendo os respectivos equipamentos de protecção individual, a falta de interesse na testagem antecipada realizada por muitos municípios, a falta de verdadeiros programas de apoio, sem burocracias, para as nossas IPSS, associações e famílias; até a simples suspensão do pagamento de estacionamento à superfície, em pleno confinamento geral, foi tão difícil de acontecer.
Pode falar de rede viária, zonas industriais ou IMI; mas isso é mera campanha eleitoral, e este é o momento de apoiar e ajudar as pessoas.
Compreendo que o problema não é apenas local, mas espero que também perceba que MUITO mais poderia ser feito por cá.
Para isso bastaria termos um verdadeiro líder…

* presidente da comissão política concelhia do PSD