César Fonte acrescenta experiência à Oliveirense

> Equipa manteve seis ciclistas da última época e há a entrada de três

0
1

Kelly/Simoldes/Oliveirense já tem a equipa pronta para avançar para o terceiro ano no ciclismo de elite. A equipa mantém o foco na Volta a Portugal, mas não descura todas as provas em que irá participar. O orçamento limitado não permitiu à equipa manter os ciclistas Fábio Costa, Rafael Lourenço, André Domingues e Venceslau Fernandes.

Para a época 2021, o plantel unionista vai apresentar-se com poucas mexidas e com mais experiência com a entrada de César Fonte. O corredor, de 33 anos, esteve, este ano, na EFAPEL, equipa que já tinha representado em 2012 e 2013 depois de dois anos ao serviço da W52-FC Porto. “É um bom reforço e um corredor muito completo, que se sente muito à vontade na alta montanha”, confirmou o diretor desportivo da equipa, Manuel Correia, que já foi seu treinador no São João de Ver. A Oliveira de Azeméis chegam também João Salgado, promissor jovem de 21 anos ex-RP-Boavista, e Ricardo Machado, ex-Seissa/KTM, de Barcelos.
Em relação às continuidades, a Oliveirense assegurou a ‘espinha dorsal’ que permitiu à equipa manter-se na discussão pelas vitórias em todas as provas em que participou este ano. Henrique Casimiro, vencedor do Troféu Agostinho em 2019 e quatro vezes top 10 na Volta a Portugal (2016, 2017, 2018 e 2019), e Luís Gomes, que este ano foi segundo em Torres Vedras, venceu uma etapa na Volta a Portugal e a Clássica da Primavera, asseguraram a continuidade no clube de Oliveira de Azeméis e garantem, assim, à equipa continuar a lutar por vitórias.
“Será uma honra continuar a representar esta equipa. Obrigado a todos pelo apoio e confiança”, escreveu Henrique Casimiro nas redes sociais. Luís Gomes, um dos corredores em maior destaque na equipa e vencedor da camisola vermelha, símbolo de vencedor da classificação por pontos, também se confessou “feliz” com a renovação. “Estou feliz neste projeto. Identifico-me com toda a estrutura da equipa e com os meus colegas. Estou muito motivado para mais uma temporada” afirmou o corredor residente em Carregosa em declarações ao site da equipa.
Pedro Miguel Lopes, outro corredor capaz de dar vitórias, também renovou pela equipa oliveirense, assim como José Sousa, Hélder Gonçalves e Guilherme Mota, que em agosto se sagrou campeão nacional de contrarrelógio (sub-23). De saída estão os jovens Fábio Costa, campeão sub-23, e André Domingues para a equipa EFAPEL, e Rafael Lourenço para o Tavira. Venceslau Fernandes assinou pela Antarte-Feirense.

“Só avançamos porque temos contrato com a Kelly”

Reclamando um maior reconhecimento para a equipa, que leva o nome de Oliveira de Azeméis aos quatros cantos de Portugal, e um maior apoio financeiro, Manuel Correia garantiu que foi o orçamento limitado que não permitiu à Oliveirense manter na equipa os três ciclistas que rumaram a outros clubes. “O nosso orçamento é muito baixo e só avançamos porque temos contrato com a Kelly”, revelou ainda o diretor desportivo, explicando que o facto da equipa ter que realizar testes à Covid-19 veio abalar ainda mais as contas do emblema. Na hora de formar o plantel, Manuel Correia revelou que a preocupação foi manter Luís Gomes, considerado a “bandeira da equipa” esta época, Pedro Miguel Lopes e também Fábio Costa, sendo que não foi possível assegurar este último ciclista. Quanto aos objetivos, o diretor desportivo reconhece que “dificilmente” a Oliveirense consegue repetir a época de 2020, em que esteve sempre na discussão pelas poucas provas que se realizaram, e volta a apontar baterias à Volta a Portugal “sem descurar todas as provas em que iremos participar”.