Apesar de o presidente da União das Freguesias de Oliveira de Azeméis, Santiago de Riba-Ul, Ul, Macinhata da Seixa e Madaíl, Manuel Alberto, considerar que o seu mandato foi marcado por circunstâncias atípicas devido à pandemia provocada pela Covid-19, o seu desejo é “superar” todos os obstáculos que foram surgindo naquela que descreve como “uma grande união das freguesias” e a maior do concelho de Oliveira de Azeméis. “Esta união colocou desafios a uma equipa que trabalhou, nestes últimos anos, para as pessoas que vivem cá”, afirmou o autarca em declarações à Azeméis TV/FM.
Marta Cabral
Manuel Alberto fez um balanço “positivo” do seu mandato, mas reforçou que quem poderá fazer uma melhor avaliação serão, sempre, os fregueses da União das Freguesias de Oliveira de Azeméis, Santiago de Riba-Ul, Ul, Macinhata da Seixa e Madaíl. “Haverá pessoas satisfeitas e pessoas menos satisfeitas. Procurámos, ao longo do mandato, não ligar aos ‘aspetos de fachada’. Procurámos ser genuínos e ouvir os problemas das pessoas”, descreveu o autarca.
“Cada freguesia tem as suas características. Temos cinco freguesias e é claro que esta agregação teve aspetos positivos e, em termos de escala, conseguimos resolver problemas de forma célere, mas também trouxe constrangimentos”, acrescentou, dando como exemplo a existência de zonas rurais e “extensas” em Santiago de Riba-Ul, Ul, Macinhata da Seixa e Madaíl, onde existem problemas “específicos” que não estão relacionados com a cidade de Oliveira de Azeméis.
“Temos a realidade da nossa cidade e temos outras realidades nas freguesias. De certa forma, quando existiam juntas de freguesia, estas acabavam por estar mais ligadas aos seus fregueses. Existia um contacto mais direto e esse sentimento perdeu-se”, declarou Manuel Alberto, sublinhando a importância de se “refletir” sobre este assunto. “No entanto, honra-me imenso representar estas cinco freguesias”, concluiu.