Autarca aceita mais um desafio do PS

0
53

Há 28 anos que Amaro Simões está ligado à vida autárquica – 24 como líder do executivo e quatro como presidente da Assembleia de Freguesia de São Roque – e mais uma vez não conseguiu recusar um desafio do Partido Socialista. Só que, agora, a missão é outra: a corrida à Assembleia Municipal de Oliveira de Azeméis.

Com um jeito que lhe é característico, utilizando palavras ligadas a sentimentos, Amaro Simões diz, sem rodeios: “Já tinha idade para ter juízo, mas nunca consegui dizer que não aos apelos que me foram sucessivamente feitos. Genuinamente, a minha intenção era descansar, ao fim de tantos anos dedicado à causa pública”. Mas depois de ter vivido “momentos muito difíceis na vida autárquica” e enfrentado “incompreensões”, principalmente quando o PS no concelho era “uma minoria”, o autarca acredita que atualmente vive-se “um novo ciclo” ao qual se quer associar. “Porque esta gente esforça-se, dedica-se, tem caráter e quero fazer parte dessa equipa”.
Acredita que possibilitar que “uma família tenha comida para dar aos filhos” é também a função de um presidente de junta. “Hoje estamos bem, mas amanhã podemos não estar. Alguns investimentos correram mal, houve quem tivesse perdido tudo, penhoraram tudo o que tinham e depois viram-se com dificuldades. Só tenho pena de a necessidade que essas pessoas têm não ser superada pela junta de freguesia”, lamenta.
“A minha função foi sempre estar ao serviço da população, que foi aderindo à minha forma de estar a vida”, conclui o candidato, que admite que o cargo de presidente de uma Assembleia Municipal tem “alguma responsabilidade”. Mas garante: “Vou dar o meu melhor para que este mandato seja exercido com elevação, com lealdade e isenção”.

“Boas memórias” do trabalho com Ângelo Azevedo
Ao longo destes quase 30 anos de gestão autárquica, Amaro Simões foi juntando várias memórias e é com facilidade que se recorda dos anos em que Ângelo Azevedo (PSD) foi presidente da câmara. “Dizia ‘eu valorizo quem trabalha’, mesmo os que não eram do mesmo partido” e rapidamente percebeu que “um euro investido em São Roque era duplicado, triplicado”. Amaro Simões não duvida de que, para Ângelo Azevedo, “foi uma alegria muito grande trabalhar com São Roque” e vice-versa. Foi por esse motivo que o nome de Ângelo Azevedo, falecido em abril de 2019, foi atribuído ao auditório da freguesia e, mais tarde, à escola básica e secundária de São Roque.
“Apoiou-me e sentiu-se honrado por fazer parte dessas obras”, afirmou o autarca.