FUNDADO EM 05 DE OUTUBRO DE 1922

DIRETOR
ANTÓNIO MAGALHÃES

SUB DIRETOR
EDUARDO COSTA


17-7-2017,
> Autarquia esclarece que proprietários dos terrenos já foram notificados para fazerem a limpeza
“ISTO É UM BARRIL DE PÓLVORA”

A existência de uma densa vegetação na Rua Frei Caetano Brandão, à entrada norte da cidade, está a deixar os moradores apreensivos, temendo que possa representar um risco em caso de incêndio.


Ana Henriques mora naquele local há sete anos e nunca viu os terrenos em causa serem limpos. Pelo contrário, a mata, junto à rotunda no início da via que liga aquela rua à António Pinto de Carvalho, vai crescendo a cada ano que passa e, atualmente, a sua altura rondará os seis metros. “Isto é um barril de pólvora, se há ali algum incêndio facilmente atinge as casas que rodeiam aquela vegetação e há algumas que estão mesmo encostadas”, diz a moradora.

O caso já foi exposto à autarquia, GNR e Proteção Civil, tendo também sido denunciado no Portal do Cidadão, com o objetivo de notificar os proprietários para efetuarem a limpeza. Fonte da autarquia adiantou  entretanto, ao Correio de Azeméis que os donos dos terrenos “já foram notificados”, tendo-lhes sido dado um prazo para fazerem a limpeza. Caso não o façam no prazo estipulado, “terá de ser a Câmara a ir limpar os terrenos, sendo que os proprietários terão de pagar os custos”.

Os habitantes, que se referem à vegetação como “pequena selva”, vivem com receio, principalmente nos meses de verão. “No ano passado, quando houve incêndios aqui perto, vi muitas vezes uma vizinha a lançar água para lá e eu e o meu marido revezávamo-nos para irmos controlando e ver se estava tudo bem”, descreve Ana Henriques, explicando que, junto à mata, há “um banco de terra” onde estão muitas vezes carros estacionados, o que representa uma outra preocupação, porque, “se alguém vier a fumar e não tiver o civismo de pôr a beata no cinzeiro do carro, aquilo facilmente incendeia”.

A moradora acrescenta que a situação coloca também em risco pessoas que passeiam a pé naquela rua, uma vez que o matagal tem já bastante profundidade. “A certa altura ‘afunda’ e já escorregaram pessoas que lá vão apanhar uns frutos de uma árvore, porque não há sinalização de perigo. Qualquer dia pode cair lá alguém sem que ninguém dê por ela”, considera Ana Henriques.

Para além da falta de segurança, Ana chama a atenção para a questão da saúde pública, relatando que, não raras vezes, já viu, a sair daquele mato denso, e até mesmo perto de sua casa, ratos e ratazanas. “Já para nem falar do odor”, acrescenta.

Diana Cohen


 




OUTRAS
19-7-2017»  “OS MOTARDS SÃO UMA FAMÍLIA”
19-7-2017»  “NADA SE REALIZA SE NÃO EXISTIR AMBIÇÃO”
18-7-2017»  FESTAS GRANDES ENCHERAM A VILA
18-7-2017»  MENOS SAL NAS CANTINAS
17-7-2017»  ‘Promessómetro’: 1
17-7-2017»  NAC É CAMPEÃO DE AVEIRO EM VETERANOS
17-7-2017»  “SEMPRE HONREI A CAMISOLA D FUTSAL DE AZEMÉIS”
17-7-2017»  MACIEIRENSE NO PÓDIO DO CAMACHA 2017
17-7-2017»  BURGAYA NA OLIVEIRENSE PARA GANHAR TÍTULOS
17-7-2017»  OLIVEIRENSE APRESENTA-SE COM UMA VITÓRIA



PESQUISA





REDACÃO:
Edifício Rainha, 8º Piso
3720-232 Oliveira de Azeméis


CONTACTOS:
Telf: 256 04 98 90 * Fax: 256 04 62 63
Tlm: 939628533


Horário Atendimento: 2ª a 6ª - 9:00h / 18:00h
email: geral@correiodeazemeis.pt


Todos os direitos reservados, 2017